Você confia verdadeiramente em Deus?

Pois é, vou perguntar denovo: você confia verdadeiramente em Deus? Aí você pode ficar bravo comigo e dizer: “não é possível que você esteja me perguntando isso”?

Então, estou perguntando sim, porque talvez esse seja um momento para perguntas profundas e respostas sinceras. Isso é válido pela exata realidade sobre nós estabelecida… uma realidade estranha e incomum, talvez nunca experimentada por nenhum de nós. A pergunta também é válida porque vejo diante dos meus olhos duas consequências para esta realidade – e é estranho perceber que as duas são completamente diferentes. Vejo aproximação e afastamento. Já explico isso, só quero fazer uma citação antes.

Recentemente em um relevante programa de televisão a entrevistadora começa sua fala com a seguinte frase: “se há alguma coisa positiva diante [dessa realidade, é a renovação] da confiança das pessoas na ciência como um caminho pra solucionar crises”[i]. A frase tem sentido, é coerente, mas reforça a pergunta tema deste texto. Diante dela (e muitas outras coisas), vejo aproximação e afastamento.

Vejo aproximação como consequência imediata, pois nossa postura humana é correr ao que transcende a realidade palpável, que vai além do que está diante dos olhos, que têm mais poder do que o que de fato se expõe diante de nós. Simplificando… na angústia, no medo, na batalha, na perseguição, na tempestade, buscamos a Deus. Damos um passo em Sua direção, corremos pro Seu braço; entendemos a limitação do sistema, do governo, do dinheiro… entendemos nossa própria limitação e aí voltamos para a casa do Pai. Vejo isso acontecendo, isso é uma consequência direta do que passamos… acordamos para nossa realidade e percebemos nossa dependência dEle. Isso é bom… isso é salvador inclusive… que bom que chegamos a tempo! Glórias a Deus pela graça ainda disponível, ilimitada, não seletiva, acolhedora e amorosa!

No entanto, também vejo afastamento. A frase da apresentadora é, como já disse, coerente, faz sentido. Precisamos sim entender que há pessoas preparadas, capacitadas (por Deus) trabalhando para que uma solução seja obtida em tempo recorde. No entanto, pessoas cuja fé está construída em areia facilmente serão levadas a crer que “não é necessário invocar a Deus”[ii] para que o problema seja solucionado… Deus não é necessário em tempo de crise. Por outro lado, aqueles que insistem em dizer que não tem fé em nada (mesmo se esquecendo de que creem cegamente em algumas coisas) irão convictamente afirmar que o homem é capaz de criar a crise e por si mesmo, sair dela, achar a solução. Poderemos ouvir frases como essa: “o único deus que eu preciso, sou eu mesmo!”. Por conta de tudo isso, vejo que também haverá afastamento.

Por isso a pergunta tema volta para mim e para você. Como estamos, qual nossa verdadeira realidade espiritual, qual o tamanho do passo que sou capaz de dar, quão disposto estou a provar minha fé? A vida, as coisas, as situações, as pessoas, o sistema, têm feito o que com minha fé? O desenvolvimento da ciência, a capacidade humana, a tecnologia têm significado o que pra mim? A pessoa (DEUS) Jesus tem qual papel em minha vida, seu exemplo é exemplo mesmo ou só histórias que conheço, repito, ensino aos outros, mas eu mesmo não vivo!?

Então… se liga nisso: quando Jesus começa ficar pequeno, anêmico, irrelevante em sua vida… quando Jesus e sua opinião são poucos relevantes na nossa vida, já entramos no caminho do afastamento. Quando você acredita que Jesus não merece seu serviço e sua adoração, quando a crença de lábios é desmascarada, mais um passo demos! Quando você acha que é dono do próprio nariz e o senhor de si mesmo, mais um passo. Quando técnicas e performances humanas invertem os valores e minam nossa consciência de dependência de Deus, continuamos caminhando para longe!

Pegou? Entendeu? Fique com os textos abaixo. Leia, releia, reflita. Repense o que você é, têm sido e poderá ser.

“Olhai, vigiai e orai…Marcos 13:33a

 “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem”Hebreus 11:1

“…andamos por fé, e não por vista”2 Coríntios 5:7

“Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno”2 Coríntios 4:18

Que DEUS te abençoe, que o amor do Pai seja experimentado por você – quando isso acontece, nada é capaz de minar sua fé! Que o Filho Jesus seja realidade na sua e na minha vida – quando isso acontece, já sabemos que tudo vale a pena. Que o Espírito Santo abra seus olhos para que possa ver o que realmente interessa – quando isso acontece não há mais nenhum questionamento.

Beijos! Paz!


[i]  Fala de Vera Magalhães – programa Roda Viva do dia 30/03/2020.

[ii] Parte da famosa frase de Stephen Hawking sobre a origem do Universo.

,
Post anterior
Quarentena não é férias
Próximo post
DESAFIO JOVEM

Posts Relacionados

Nenhum resultado encontrado.

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Menu
X