Viva a Revolução

A História da humanidade é repleta de revoluções: Revolução Russa, Revolução Chinesa, Revolução Industrial e assim por diante. Toda revolução tinha um objetivo romper com o sistema vigente e propor uma nova forma de viver. Dentre os revolucionários, que são aqueles que aderem à revolução, aparecem os líderes, os mártires e os símbolos.

As evoluções mudaram a história da humanidade sejam em relação a comportamentos, relações de trabalho ou formas de governos. Somos a civilização que chegou até aqui por causa das revoluções históricas que aconteceram. Somos fruto das revoluções e vamos continuar revolucionando o mundo até o seu desfecho. Mas a pergunta que eu tenho é: que tipo de revolução vale a pena seguir?

A partir desta pergunta eu tenho que olhar criticamente a revolução e perguntar: O que essa revolução defende? Quais rupturas ela propõe? Quem é o seu líder? E aonde ela vai nos levar?

Então, permita-me propor uma revolução a você. Uma que defende uma mudança radical de vida.  Que nos provoca a romper imediatamente com o sistema no qual estamos inseridos. Cujo líder quebrou os paradigmas de sua época falando a respeito de igualdade sexual (homem e mulher tem os mesmos direitos e deveres), defendeu a reinserção social, distribuiu comida para os que nada tinham e delatou a corrupção e suas as obras faraônicas. Como todo mártir de revolução o líder foi perseguido, açoitado, escorraçado, enxotado, criticado pelo seu discurso, chamado de fraude, foi preso e morto exemplarmente. Cristo foi, e é o grande líder revolucionário, Ele propôs uma vida nova, Ele que incomodou aqueles que viviam no sistema vigente na época.

Uma ruptura com o sistema é o que Paulo insiste em Efésios 4:17-20: “Assim, eu lhes digo, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios, que vivem na futilidade dos seus pensamentos. Eles estão obscurecidos no entendimento e separados da vida de Deus por causa da ignorância em que estão devido ao endurecimento dos seus corações. Tendo perdido toda a sensibilidade, ele se entregaram à depravação, cometendo com avidez toda espécie de impureza.Todavia, não foi assim que vocês aprenderam de Cristo”.

Ele esta insistindo para que a gente rompa em definitivo com o pecado, com a vida mundana, mudando completamente a forma de pensarmos. A proposta é que mudemos a nossa forma de pensar, porque no pecado os pensamentos estão obscurecidos pela ignorância e tal ignorância nos separa de Deus. A ignorância de nossa mente petrifica nossos sentimentos e emoções direcionados a Deus tirando o nosso limite moral e nos entregando de corpo e alma a toda espécie de depravação, ou seja, nos entregamos completamente ao pecado.

Por tudo isso se faz necessário uma revolução, tem que haver a mudança de mentalidade e comportamento. Devemos nos inconformar com o sistema vigente (pecado) e buscar uma vida em outros padrões.

Paulo, o revolucionário, nos versículos de 21 a 31 do capitulo 4 de Efésios, mostra o que é viver a revolução, ele mostra que nesta revolução devemos nos parecer com Jesus o grande líder e símbolo desta revolução. Ele afirma que os revolucionários são diferentes, são verdadeiros, são controlados emocionalmente, são honestos, não ofendem, são de bem com a vida. Resumindo fazem a diferença onde estão, são notados pelas suas características e não pela forma de vestir-se. Os revolucionários são capazes de influenciar pessoas pelo seu modo de vida, até porque esse modo de vida deve ser uma imitação da vida de Jesus.

Por fim em Efésios 4:32 Paulo afirma: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo”. Todo esse movimento revolucionário só é possível porque fomos perdoados através de Cristo.

Perdão que foi pela graça e que não foi de graça. Foi pela graça porque Deus em seu amor manda seu filho a fim de se sacrificar por nós e pagar o preço do pecado que nos era devido. Não foi de graça porque custou à vida de Jesus, o mártir desta revolução, o homem que até então havia curado alimentado, dado dignidade e confortado as pessoas. Jesus que não havia cometido pecado algum foi morto pelos nossos pecados, assumiu a nossa condenação. A sua morte na cruz foi o sucesso da revolução. Foi na cruz que conseguimos ver a nossa real situação e romper com o sistema vigente. Mas é através da ressurreição de Cristo, três dias após sua morte, que tenho esperança de viver a revolução proposta por Ele.

, , ,
Post anterior
Duas multidões – um salvador entre elas
Próximo post
Amar sem medo

Posts Relacionados

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Menu
X