Unificado#18 – atravesse a ponte

Assisti um filme, a um tempo atrás, que se chama “Ponte para Terabítia”. Fui pesquisar. Ele foi lançado em 2007 e se você não assistiu talvez ajude dizer que a personagem principal é a versão garotinho do adolescente que fez par principal com a Jennifer Lawrence em Jogos Vorazes – o nome dele é Josh Hutcherson.

A sinopse do filme explica que esse garoto tem o sonho de ganhar uma competição de corrida na escola, mas suas habilidades físicas e seu tamanho não permitem. Não que ele seja um completo desajeitado, muito ao contrário. Acho que o filme decidiu mostrar garotos normais (nem os mais altos, nem os mais baixos, nem os mais fortes, mas também não os mais fracos) com as suas dificuldades naturais de adaptação à escola. Garotos maiores e mais velhos o maltratam e, o que mais o chateia, uma menina é mais rápida que ele na corrida. Então, por vários caminhos, ele e essa garota tornam-se melhores amigos e ele percebe que ela também tem as suas dificuldades de adaptação na escola. É quando o filme toma definitivamente o seu rumo, pois para lidar com essas dificuldades naturais do desenvolvimento de uma criança, em um bosque perto de casa, eles inventam, como é próprio da imaginação de uma criança, uma terra onde tudo é perfeito e eles são heróis vencendo gigantes e vilões, que nada mais é do que uma forma que encontraram para lidar com seus medos e desajustes da escola. Essa é Terabítia e o nome do filme fala da ponte que eles fizeram sobre um riacho para atravessar para essa parte mais escondida do bosque que, na fantasia deles é tanto o lugar de suas conquistas como o refúgio deles.

Essa semana, meu cunhado está de mudança para a Argentina. Transferido pela empresa, ele, sua esposa e sua filhinha de 1 ano estão atravessando uma ponte – saindo de São Paulo e se dirigindo para uma nova vida em Buenos Aires. Tenho certeza que eles tentarão ao máximo manter sua essência – casados, bons pais, honestos, fiéis a Deus e a sua Palavra. Mas, os novos desafios, a nova cultura vai transformá-los. Eles podem e devem manter a essência, mas em aspectos culturais eles sofrerão a natural influência do meio, das novas amizades, da nova igreja etc.

Existem pontes que levam para um mundo de fantasia. Outras pontes levam para uma nova realidade social e cultural que trazem riscos e desafios que precisam ser enfrentados. Se o Unificado 2018 “morrer” lá em Atibaia com quem participou, ele será para a nossa geração um mundo de fantasia, que pode ajudar a gente a lidar com alguns medos e receios, mas logo perceberemos que não passou de uma fase. Agora, se atravessarmos a ponte, com todo o cuidado necessário, aceitarmos o desafio da cultura, do tempo e da sociedade que as novas gerações já estão enfrentando, então, teremos a oportunidade de encarar as transformações e ajustes necessários que a postura ministerial pede, sem perder a essência bíblica e cristã. Seremos diferentes com certeza, mas continuaremos os mesmos, porque nossa identidade permanecerá em Cristo Jesus.

O material do Unificado está disponível para ser baixado no portaliap.org. Muitos esforços estão sendo feitos para que a mensagem de uma igreja, disposta a cumprir e participar da missão de Deus, seja levada a efeito por nossos ministérios e nossas igrejas. Venha conosco. Vamos atravessar a ponte.

, , ,
Post anterior
Mulher
Próximo post
Liderança relevante

Posts Relacionados

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Menu
X